O Parque Nacional da Peneda-Gerês, com cerca de 70.000 ha, estende-se dos planaltos da Mourela ao de Castro Laboreiro incluindo as serras da Peneda, Soajo, Amarela e Gerês. Trata-se duma região montanhosa, essencialmente granítica em cujas zonas de elevada altitude são visíveis os efeitos da última glaciação. Vales profundos e encaixados suportam densa rede hidrográfica. Notável diversidade botânica – bosques, matos, vegetação ripícola e turfeiras para além de matos húmidos – destacando-se a presença de várias espécies raras e endémicas. Alberga alguns dos mais importantes carvalhais de Portugal. Interessantes habitat seminaturais. Diversidade de espécies faunísticas com estatutos diferenciados: endémicas (salamandra-lusitânica); ameaçadas (lobo-ibérico); de distribuição limitada (cartaxo-nortenho). No mosaico agrícola destacam-se os prados de lima e lameiros.

Rico património histórico-cultural (necrópoles megalíticas, vestígios da romanização, castelos, espigueiros, fornos, moinhos, levadas, socalcos, brandas, inverneiras, tradições peculiares) a que acresce a curiosa implantação das aldeias serranas e a presença de núcleos de arquitetura tradicional bem preservados.